Revisão de Testes de Tradução

Por Pricila Reis Franz em 26. Jul, 2010 | Tradução | 5 Comments on Revisão de Testes de Tradução

Certa vez um colega solicitou a revisão de um teste de tradução que havia feito para um possível cliente e fiquei pensando nas implicações éticas disso. Por isso, lanço neste post uma pequena enquete: você recebe um teste de tradução. O que faz?

1) Traduz e depois envia o teste para ser revisado por algum colega? Avisa o cliente deste procedimento? Avisa o colega que é um teste?

2) Caso seja aprovado, continua enviando os projetos deste cliente para revisão?

Mais uma dúvida: você aceita revisar testes de tradução? Como fica a questão da ética nestes casos?

Por favor, compartilhe suas experiências e deixe sua opinião.

Tags: ,

5 Comentários

  1. Kelli Semolini says:

    Oi, Pri!

    Uma pergunta ótima. Eu costumo fazer assim: se planejo trabalhar com um revisor nos projetos deste cliente, não vejo problema algum em pedir uma revisão do teste ao colega que vai trabalhar comigo. Se eu não for trabalhar em dupla com o cliente, seja por que motivo for, não acho certo mandar o teste com uma qualidade que não vai ser a mesma dos serviços pra valer.

    Se eu aceitaria revisar teste? Na primeira situação, de trabalho em conjunto, sim; na segunda, de ser revisão só para o teste… não sei. Acho uma situação complicada. Meu primeiro impulso seria dizer não.

  2. Minha resposta é ‘não’, a não ser no caso de se trabalhar permanentemente com um revisor (e, sendo assim, eu avisaria o cliente que trabalho de tal forma). Quando fiz o teste para fazer parte do quadro de tradutores da empresa na qual trabalho hoje, simplesmente fiz meu teste e enviei. Porém, parece que muitos outros que enviaram testes impecáveis mostraram-se péssimos tradutores na prática. Ou seja, devem ter enviado seus testes para revisão (e não avisaram a empresa) ou simplesmente pediram para outra pessoa fazer, coisa que eu não faria nem morta!

    Eu acho que não aceitaria revisar um teste também… Porque se é teste, fica claro que a empresa quer saber o real nível do candidato, mesmo que venha a trabalhar com revisores depois.

    • Esther says:

      Moi j’ai rien à dire, je copie Mick Jagger, Bob Marley, Joey Ramone, Johnny Rotten, Joe Strummer, Georges Harrison, Roy Orbison, Jimmy Cliff, Shane mac Gon20&#8a3w; et j’y arrive pas.

  3. Leila Kommers says:

    Olá!

    Bem, revisão de teste é um assunto bem delicado. Não concordo com a revisão de teste sendo feito da mesma forma como seria a revisão de uma tradução, por exemplo. Talvez pedir a opinião de um colega com quem já trabalhaste e que conhece teu trabalho, sim. Isso eu já fiz com uma colega, já trabalhamos juntas e conhecemos e confiamos no trabalho uma da outra. E foi algo do tipo, ‘qual tua opinião no geral, como leiga ou como leitora’. Mas não uma revisão de ‘corrigir a tradução’. Afinal, teste é para saber se é possível continuar com o trabalho. E se eu acho que não dou conta do teste, informo o cliente na hora. ‘Isso não é para mim.’ É uma forma de ser honesta comigo mesma.

    Já me pediram para revisar testes, sendo que eu não conhecia o trabalho da pessoa, conhecia a pessoa de oi e tchau, mas não o trabalho. Educadamente, eu recusei, pois não achei ético. Assim como já vi trechos de testes que eu também estava fazendo, correndo pelas listas, e as pessoas pegando os testes quase que prontos.

    Concluindo, não concordo com a revisão (correção) do teste, mas uma opinião geral do tipo ‘dá mais uma revisada que não tá legal de entender’, não vejo mal algum. Porque, desta forma, o próprio tradutor vai ter que pesquisar a melhor solução e não o revisor.

  4. Aliás, esqueci de dizer: é tanta gente mandando revisar o teste ou pedindo para outros fazerem, que agora a empresa na qual trabalho requisita que o teste seja feito pessoalmente. Chato, os tradutores perdem a credibilidade.

Comente!