Enquete sobre tradução

Por Pricila Reis Franz em 20. Oct, 2011 | Tradução | 7 Comments on Enquete sobre tradução

Uma pequena enquete com os colegas tradutores. A situação é a seguinte:

Um cliente (agência) entra em contato para fazer uma tradução juramentada (você não é tradutor juramentado e o cliente sabe disso, pois afirma que depois mandará para o tradutor juramentado assinar). Você responde:

1 – Não, muito obrigada.

2 – Não, não posso fazer tradução juramentada. É proibido por lei.

3 – O tradutor juramentado vai ler o trabalho antes de assiná-lo?

4 – Certo, pode mandar o trabalho (afinal, o que é feito com a tradução depois do trabalho realizado não é da sua conta).

Participem, comentem, opinem. Gostaria muito de saber como cada um responde nessa situação. 😉

Tags: ,

7 Comentários

  1. Roseli says:

    Eu escolho a 1, mas com um complemento: indico colegas juramentados para o par de idiomas desejado.

  2. pricila says:

    Oi, Roseli. Não deixei claro no post: para o cliente não importa que você não seja juramentada porque depois ele manda o trabalho feito para o tradutor juramentado assinar.

    • Helene says:

      I think all Mom’s have felt this way!! Going outside and/or feeding him works best for us!! ha!Cute list! Thanks for vitnsiig mine! Have a great weekend! 🙂

  3. Roseli says:

    Ainda assim a 1, Pri. E se der a brecha, indico colegas, quem sabe o cliente não se dá melhor com algum deles e para de propor esses repasses. Já recusei traduções juramentadas sem conta, geralmente para obtenção de dupla cidadania. Tem detalhes que só quem tem a prática conhece, e os papéis ficam que nem bumerangue no consulado, bate e volta. Muita complicação para a minha vida, prefiro passar sem.

  4. Fabio Said says:

    Pricila, escolho a 4. Se as condições gerais do contrato estiverem claras para as ambas as partes (tradução jurídica não-juramentada, sem assinatura, nem carimbo meu porque isso é proibido etc.), não vejo por que não aceitar o projeto.

    O que o cliente vai fazer com a tradução não é problema meu. Se fosse a tradução de um texto para publicação (tradução-fim), o caso seria diferente, mas no caso de uma tradução-meio, na qual o nome do tradutor não tem costuma ter importância, estou me lixando para o que vão fazer com o texto traduzido.

    A questão mais importante, a meu ver, é que antes de começar o trabalho eu preciso ter certeza de que estou apto a assumi-lo, ou seja, é saber se tenho conhecimento do assunto do texto, se tenho experiência com o tipo de documento etc. E, claro, se vou ser bem pago! 🙂

  5. Zeca says:

    Quem é prejudicado na questão? Os TPICs que trabalham de acordo com as leis.
    Proponho 5) dizer que não tem disponibilidade e encaminhar ao sindicato dos TPICs, ao Ministério Público, a Abrates e ao Sintra.

Comente!